domingo, 4 de outubro de 2009

Soneto da Mulher Poderosa



A mulher poderosa catequiza
Simulando uma frágil condição
Quando, enfim, dominar o coração
O errante liberto, escraviza

Com magia sutil, hipnotiza
Guarnecendo de asas, a ilusão
Interpreta falsa submissão
E o indomável ser, imobiliza

Faz do homem, sua propriedade
Pilha o corpo, a alma, o lazer
Mas que graça teria a humanidade?

Sem mulher, esse tão sublime ser?
Uma vida com total liberdade
E nenhuma razão para viver

(Pedro Augusto Fernandes de Medeiros)

3 comentários:

  1. Que soneto hen!
    Ou melhor...que mulher poderosa.
    Que bom você expõr neste soneto que a mulher é importante para humanidade. Pena que ainda exista pessoas machistas, que dá soberania ao sexo masculino. Mas isso está mudando e você, Pedro, ajuda com essas poesias.

    Obg...Kelly!

    ResponderExcluir
  2. Retorno ao tabuleiro da infância: no inverno eu ia recolher feixes de gitiranas, mutilar flores azul-lilás-rosa.

    ResponderExcluir