quarta-feira, 18 de novembro de 2009

O Corpo e a Alma


Com o seu fardo pesado
Distante do holofote
Sob o açoite do chicote
O corpo é martirizado
No tormento é afogado

Quando a carne é agredida
Mas mesmo a grave ferida
Não o torna um infeliz
Só condena à cicatriz
Da tortura recebida

Já a alma conduzida
Pelo açoite da riqueza
Perderá toda a nobreza
Numa vida reduzida
Quando a aura é seduzida
Pela gana obscena
A ferida que gangrena
Como chaga erosiva
Sangrará em alma viva
Sem nunca ter cura plena

A mais agressiva pena
Que podemos padecer
Não esgota o prazer
Da existência terrena
Mas se a alma se apequena
Em um árido deserto
Terá um destino certo
De embuste feiticeiro
Um escravo do dinheiro
Nunca estará liberto

(Pedro Augusto Fernandes de Medeiros)

8 comentários:

  1. Belíssimo cordel sobre este infindo combate do corpo contra a alma. Vc escreveu de corpo e alma.

    Adorei.

    Bjo.

    ResponderExcluir
  2. Apesar de todo o sofrimento que passamos, nada tira nossa alegria de viver.
    Adorei seus versos.
    Abraços :-)

    P.S: não fique tanto tempo sem postar suas obras primas, elas são maravilhosas!

    ResponderExcluir
  3. Pedro, bom dia!

    Encantada estou com a beleza de sua poesia. Concordo com o seu pensar. Parabéns!
    abraços,
    Célia

    ResponderExcluir
  4. Muito bom, Pedrinho!!! E viva a vida....
    abraço Ielton

    ResponderExcluir
  5. Ola estou passeando aqui pelas paginas do seu blog, quando e c der faça uma visitinha ao meu espaço o Ecos (www.ecosdotelecoteco.blogspot.com) Forte abraço e muito sucesso para voce este ano...

    ResponderExcluir
  6. Lindo sol-post! Visite meu Sol... Tenha um ano novim em folha. Abç

    ResponderExcluir
  7. Vc sumiu lá do blog.

    Tudo bem com vc?

    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Olá, olá! Passando pra te desejar um feliz ano novo!
    Beijooooo!
    She.

    ResponderExcluir