quarta-feira, 9 de junho de 2010

Garganta da Morte



Foto baixada do Orkut de Chaguinha de Gabriel: uma belíssima e assustadora imagem de Gargalheira.

Como quem dar um belisco
No seu próprio fenecer
Num estranho entorpecer
O homem se entrega ao risco
Parece que há um confisco
Da sua razão febril
Um encantamento vil
Na ilusão de vencer
O fascínio do poder
Compõem enredo sombrio

Uma vida por um fio
Bem na garganta da morte
Na corda bamba da sorte
Brincando com fogo hostil
A coragem infantil
Tem na inocência, abrigo
Ignorando o perigo
Numa sedução final
Delira que é imortal
Forjando o próprio jazigo


(Pedro Augusto Fernandes de Medeiros)

5 comentários:

  1. Bonito poema sobre uma imagem incrível, gostei!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Nossa que foto bela, e que perigo essas pessoas nesse barco passaram, realmente a imagem mostra a vida deles por um fio. Linda poesia, descreveu com exatidão a imagem.
    Adorei...
    Abraço, Kelly!

    ResponderExcluir
  3. Ambos, assombrosamente lindo e real.

    ResponderExcluir
  4. Ielton C. Dantas - São Luis/MA13 de junho de 2010 11:48

    Cara poesia que relatar 100% da inrresponsabilidade quando jovem, "Brincando com fogo Hostil e na ilusão de vencer", seja pulando da varada de gargalheiras sagrando, da ponte em Acari, etc..., abraço Ielton

    ResponderExcluir
  5. Fiquei com um frios na barriga só em ver essa foto. "É a vida por um fio" mesmo, é brincar com fogo.
    As poesias estão cada vez melhores.

    ResponderExcluir